Teste de conector MPO

Eficiência de conectores MPO

Conectores MPO (Multi-fiber Push On) aumentam a sua capacidade de dados com o uso altamente eficiente do espaço. Entretanto, os usuários enfrentam problemas como complexidades e tempo extras necessário para teste e troubleshooting em redes de fibra multimodo. A VIAVI ajuda a superar esses problemas com o portfólio de soluções mais completo do mercado para conectividade MPO.

Principais aspectos do teste de conectores MPO multifibra

Embora os conectores MPO apresentem muitos benefícios e vantagens em relação aos conectores de fibra simples comuns, há algumas diferenças que introduzem novos desafios aos técnicos. Esta página de recursos apresenta uma visão geral das informações essenciais que os técnicos devem entender ao testar conectores MPO.

image of MPO connector
  • O que é um conector MPO?

    O conector Multi-Fiber Push On (MPO) é uma categoria de conectores de fibra óptica que utiliza uma matriz linear de fibras em uma única ponteira. A aplicação mais comum dos conectores MPO é a terminação de conexões de fitas de fibras múltiplas, em ambientes interiores de alta densidade.&

    Important components of an MPO connector

    Os conectores MPO têm sido uma interface padrão para cabos troncos densos e tornaram-se mais amplamente utilizados recentemente em aplicações de painéis de conexões, servidores e switches. Um único conector MPO pode substituir várias conexões do tipo SC ou LC, proporcionando economia de espaço de 12 vezes (ou mais) da densidade da fibra em um tamanho de área equivalente, simplificando a instalação. 

    A interface de conexão dos MPOs está definida nas normas IEC-61754-7 (internacional) e TIA 604-5 (EUA) . 

    Para saber mais sobre conectores MPO, assista ao nosso vídeo “Visão geral dos conectores MPO”:

    Clique no botão abaixo “Saiba mais” para ler a transcrição

    Tyler Vander Ploeg: Olá pessoal, meu nome é Tyler, trabalho na VIAVI Solutions, e estou aqui com meu colega Matt Brown para conversar um pouco sobre conectividade de fibras múltiplas e, mais especificamente, como fazer o teste de conectores MPO. Isso é algo que existe há muito tempo, entretanto Matt já conhece o processo desde o início. Ele vai falar sobre o assunto e se aprofundar em mais detalhes para nossos espectadores sobre esses conectores, como eles são diferentes e o que é preciso saber ao começar a trabalhar com esse conector em campo.

    Matt Brown:  Claro, vamos falar quase desde o início, não exatamente desde o início absoluto, pois o conector MPO já existe há muito tempo. É um conector de múltiplas fibras, então exatamente o que é um MPO? É um conector que conta com muitas fibras em um único conector, ao contrário do tipo SC ou um LC que tem uma fibra no conector e, mesmo se você fizer uma duplexação deles, essa fibra persistirá em cada um desses conectores; portanto, um MPO é um conector que tem muitas fibras montadas em uma única ponteira. Ele já existe há muito tempo. Ele já é utilizado em nossas redes há muito tempo, entretanto está em um local em que não precisamos trabalhar com ele ou um técnico normal não precisa tocá-lo e gerenciá-lo diariamente porque está oculto atrás do painel, propiciando conectividade rápida a cabos troncos densos e convertendo-os em um fator de forma LC, ou em outro local no painel traseiro, em que não é visto.

    Matt Brown: Agora, com as diversas tendências que vêm ocorrendo, estamos vendo que o MPO está realmente começando a sair de trás do painel e está no painel frontal e você precisa lidar com isso, pois o técnico está em campo, perguntando: o que é esse adaptador? O que é essa coisa grande e retangular? Não é um SC, não é um LC, daí ele pega um jumper e vê que a peça tem pinos. O que é isso? Como vou encaixar isso? A peça tem uma guia. Há muitas coisas bem diferentes em relação à tecnologia. É uma tecnologia muito boa, é uma tecnologia muito poderosa, entretanto tem algumas coisas diferentes com as quais precisamos lidar. Vamos falar sobre o assunto na próxima série de vídeos.

    Tyler Vander Ploeg: Sim, perfeito. Obrigado por ter vindo, Matt. Estaremos juntos em alguns vídeos e vamos falar também sobre todas essas coisas que o Matt acabou de mencionar. Esperamos que vocês nos acompanhem. Muito obrigado.

  • Tipos de conectores MPO

    O formato externo de um conector de fibra MPO inclui um alojamento de plástico retangular moldado que é “guiado” em um lado para casar e orientar a posição das fibras. Quando esta guia está na posição “para cima”, a fibra n.º 1 está localizada no lado esquerdo. O alojamento do conector MPO utiliza um mecanismo de travamento por pressão, com um clique audível, que torna a conexão rápida e confiável.

    A densidade das aplicações de conectores MPO pode variar entre 8, 12, 24, 32 ou 48 fibras, e também há opções de 60 e 72 fibras para aplicações especializadas de alta densidade. As opções de 12 e 24 fibras são as mais usadas hoje em dia, e o conector de 12 fibras (MPO-12) foi o primeiro a ganhar ampla aceitação em aplicações para data center. O conector de 24 fibras provou ser uma solução matematicamente conveniente para muitas conexões de equipamentos de 40 GB (8 fibras) e 100 GB (24 fibras), o que levou a um aumento recente na utilização do MPO-24.

    Embora o tamanho do alojamento do conector MPO de 12 fibras e 24 fibras seja idêntico, a opção de 24 fibras inclui uma segunda fileira de 12 fibras. Da mesma forma, os conectores MPO de 48 e 72 fibras incluem 4 e 6 fileiras de fibras, respectivamente.

    Os conectores MPO de 16 e 32 fibras contêm 16 fibras em cada linha, em vez de 12. Este formato foi desenvolvido especificamente para aplicações de 400 GB. A tecnologia MPO pode ser usada para fibras multimodo e monomodo. Conectores multimodo usam ponteiras planas, ao passo que conectores monomodo empregam ponteiras angulares de oito graus para minimizar a o retrorrefletância. Como esses conectores têm formato semelhante, mas são incompatíveis entre si, um código de cores é utilizado para distinguir facilmente um tipo do outro.

    Para mais informações sobre os tipos de conectores MPO, assista ao vídeo “Visão geral sobre conectores MPO” acima.

  • Conectores MPO x MTP

    Embora os termos MPO e MTP sejam usados às vezes de forma intercambiável, MTP é o nome comercial de um conector multifibra específico produzido pela US Conec e significa “Terminação tipo Push On para multifibras”. Entre as características proprietárias do projeto, inerentes aos conectores MTP, estão as ponteiras flutuantes que melhoram o alinhamento e o desempenho em condições de carga e pinos-guia elípticos para alinhamento e durabilidade otimizados.

    As atualizações mecânicas dentro do alojamento do conector também melhoram a confiabilidade. Isso inclui um projeto de mola modificado que melhora a folga da fita e um alojamento removível para facilitar a modificação do gênero do conector e o acabamento da ponteira em campo, além de melhor acesso ao teste.

    Todos os conectores MTP são também conectores MPO, embora o contrário não seja verdadeiro. Um conector MTP é 100% compatível com seu equivalente genérico de estilo MPO, entretanto um conector MPO não é funcionalmente equivalente a um MTP em aplicações de alto desempenho, devido às tolerâncias de projeto mais rígidas e às diferenças no conjunto de recursos. O conector MTP é compatível com as mesmas normas internacionais e norte-americanas aplicáveis ao conector MPO padrão. Uma versão “Elite” do conector MTP também está disponível, com menor perda de inserção, comparado ao conector MTP padrão.

  • Inspeção e contaminação de MPOs

    A limpeza e a inspeção para controlar a contaminação de conectores MPO são práticas recomendadas essenciais. Cada uma das múltiplas fibras conectadas a um conector MPO estende-se em uma pequena distância da ponteira e isso significa que as extremidades das fibras tocam-se quando os conectores MPO são acoplados. Isso torna crucial a limpeza dessas superfícies de contato. A grande área superficial do MPO e o acesso ao componente fêmea (bulkhead) podem oferecer muitas oportunidades para uma contaminação se infiltrar no conector.

    A quantidade das superfícies terminais da fibra também aumenta exponencialmente o potencial de contaminação. Por exemplo, supondo-se que cada superfície na extremidade da fibra tem 90% de chance de ser contaminada, isso representa uma probabilidade de 0,9012 ou 28% de que pelo menos uma superfície de fibra em um MPO-12 estará contaminada. A contaminação em uma extremidade da fibra pode afetar as outras negativamente, introduzindo frestas de ar Fresnel que se propagam ao longo da linha ou tiram fibras adjacentes do alinhamento.

    Cada conector óptico deve ser inspecionado quanto à presença de poeira, óleo, riscos ou outros contaminantes. Se alguma contaminação for detectada, a limpeza com uma ferramenta e solução de limpeza para MPO, especificamente projetada, é o próximo passo lógico, pois uma ferramenta de limpeza incorreta pode danificar a face final da fibra. Após a limpeza, uma nova inspeção adicional para fins de verificação deve ser feita antes da instalação. Esse ciclo de inspeção e limpeza deve ser repetido até que nenhuma contaminação seja detectada. Confira mais boas práticas sobre inspeção de fibra.

    inspect and clean fiber before connecting

    Para saber mais sobre os efeitos da contaminação em conectores MPO, assista ao nosso vídeo “Lidando com contaminação em conectores MPO”:

    Clique no botão abaixo “Saiba mais” para ler a transcrição

    Tyler Vander Ploeg: Olá pessoal, meu nome é Tyler.

    Matt Brown: Meu nome é Matt.

    Tyler Vander Ploeg: Trabalhamos na VIAVI Solutions. Neste episódio, queremos examinar com mais detalhes os desafios da contaminação com MPOs, especificamente.

    Matt Brown: Sim. Há muitos desafios... há muitas coisas em jogo. Certo? Portanto, a primeira e mais óbvia é que, com um conector tradicional ou um LC, você tem isso... você tem essa luva bipartida de cerâmica que está no adaptador. Quando vai até um painel e tira a tampa de proteção contra poeira, pode ver que há um pequeno furo. É um furo de 1,25 milímetro no qual os conectores LC vão entrar, em que as ponteiras vão entrar. Se olhar um MPO em um painel, é um retângulo gigante. Certo? É uma área bem grande.

    Matt Brown: Portanto, há muito mais acesso e muito mais área para uma contaminação entrar na interface. Então, ao observar as duas coisas em sua mão, a pequena ponteira LC, muitas pessoas ficam confusas: isso é a fibra? Não. Essa é uma ponteira de cerâmica que retém a fibra. No MPO, você tem essa ponteira retangular preta que contém muitas fibras. Portanto, aqui há muito mais área superficial para a contaminação agir e muito mais acesso no lado fêmea para a contaminação entrar.

    Matt Brown: Outra coisa a observar é que há uma fibra aqui. Há uma pequena fibra de 1,25 milímetro, no centro dessa fibra de 1,2 milímetro... fibra de 125 mm no centro dessa ponteira. Existem 12, 16 ou 24 fibras nessa ponteira. Então as probabilidades são de ordem bem elevada. Então, se dissermos que há 90% de probabilidade de que a fibra está limpa... há 10% de chance de que a fibra esteja suja, o que significa que há 90% de chance de estar limpa. Bem, se tivermos 12 delas em uma fileira, você terá essa probabilidade de 90% a 12.ª potência, dessa forma que se adiciona as probabilidades e tem uma probabilidade de 30% de que todas as fibras estejam limpas em conjunto. É bem mais improvável que todas essas fibras, juntas, estejam limpas do que essa única fibra esteja limpa.

    Matt Brown: E acrescente outras coisas e você verá que elas estão contaminadas. Quero dizer, sabemos por experiência própria, você entra em uma área... em uma base instalada em que o conector está no painel há muito tempo, há uma probabilidade elevada de ele está contaminado. Com o MPO, é quase... é quase uma certeza que essa coisa será contaminada. Por que isso ocorre... por que devemos nos importar? Voltamos ao modelo, Inspecionar antes de Conectar, que adotamos. Detritos e contaminação na face da extremidade afetam a transmissão. É verdade para um LC. É mais verdadeiro para um conector MPO e/ou MTP.

    Matt Brown: Porque, assim como na fibra em um LC, se houver sujeira, detritos ou contaminação no core, isso vai atrapalhar a transmissão. O mesmo ocorre em um MTP. Se houver sujeira ou detritos fora do core, na fibra ou na ponteira, ela pode não entrar no caminho da luz, mas impede que as duas peças entrem em contato físico. E precisamos que essas fibras se toquem. Precisamos que essas duas fibras entrem em contato fisicamente e não haja fresta de ar ou luz do dia. Com um MPO, você tem todas essas fibras nessa matriz e todas elas entram em contato. E se uma delas for bloqueada, as fibras vizinhas... se uma delas for impedida de entrar em contato físico, as fibras vizinhas também poderão ser impedidas de entrar em contato fisicamente.

    Matt Brown: Nós sabemos disso. Temos uma teoria, um modelo sobre o tema e, depois, demonstramos isso. Nós testamos a possibilidade. Sabemos que uma contaminação aqui impede o contato físico de várias fibras próximas. Portanto, é bem mais provável que esteja contaminado porque há apenas mais área. Bem mais provável que essas 12 fibras estejam contaminadas... É bem mais provável que, em 12 fibras, exista uma delas contaminada, do que em apenas uma fibra por conector. E se a contaminação existir, isso afetará as fibras vizinhas. Portanto, esse é um problema sério. Qual é a sua atitude em relação a isso? Você inspeciona. Ou seja, você vê o que está ocorrendo. Você limpa as fibras. Certo? Com certeza você precisa ter uma boa solução de limpeza. Uma solução de limpeza projetada para a condutividade das fibras ópticas.

    Tyler Vander Ploeg: Hum-humm (afirmativo).

    Matt Brown: Já temos há algum tempo. Costumávamos usar lenços de limpeza e álcool isopropílico. Certo? E essas eram nossas soluções de limpeza. Nem tão eficientes. As pessoas costumavam limpar com produtos não projetados para fibras ópticas. E soluções de limpeza incorretas podem riscar ou danificar a face final. Portanto, use algo próprio para fazer essa limpeza. E você precisa verificar isso.

    Tyler Vander Ploeg: Inspecionar novamente.

    Matt Brown: Isso é necessário. Quero dizer, é como dizia um político: “Confie, mas verifique”. Certo? Confio na ferramenta de limpeza, mas tenho que verificar se ela fez o seu trabalho. Especialmente com todas essas fibras, há muita coisa acontecendo que, muitas vezes, mesmo com soluções de limpeza muito boas, descobrimos que alguma coisa foi deslocada ou algo ficou para trás durante a primeira limpeza. E você precisa verificar se está tudo limpo. Depois de ver que tudo está certo, pode conectar. Essa conexão será boa para a vida toda... enquanto estiver conectada. Certo?

    Tyler Vander Ploeg: Hum-humm (afirmativo).

    Matt Brown: A boa notícia sobre fibras ópticas é que, quando você as conecta, elas permanecem em bom estado.

    Tyler Vander Ploeg: Sim.

    Matt Brown: Até você mexer nelas.

    Tyler Vander Ploeg: Sim. Gostei da explicação, Matt. Obrigado novamente.

    Matt Brown: Certo.

    Tyler Vander Ploeg: Para mais informações, você pode entrar em contato conosco em viavisolutions.com/MPO. Muito obrigado.

  • Polaridade do MPO

    O termo polaridade em redes ópticas é usado para descrever o casamento correto das fibras entre as extremidades transmissora e receptora do enlace óptico. Os conectores MPO podem complicar os problemas de polaridade devido à maior densidade das fibras dentro de cada conector. Ao contrário de uma conexão de fibra do tipo SC ou LC, uma inspeção VFL simples não pode verificar completamente a polaridade ou a continuidade. Como as posições das fibras são fixas dentro de cada conector, as fibras não podem ser simplesmente movidas se um problema de polaridade for detectado. Adicionando mais complexidade, os conectores MPO adotaram três métodos diferentes de polaridade.

    • Tipo A:

      Conhecido como o método direto. Usando esta convenção de polaridade, o primeiro conector na posição “guia para cima” será direcionado para o segundo conector na posição “guia para baixo”. Nesta orientação, a fibra na posição 1 do primeiro conector será direcionada para a posição da fibra 1 no conector adjacente, junto com as fibras 2, 3, 4, etc.

      Type A Cable MPO Polarity
    • Tipo B:

      Algumas vezes, isso é chamado de método invertido ou “virado”. Nesta configuração, os dois conectores estão na “posição guia para cima”, entretanto a numeração das fibras correspondentes estará invertida. Por exemplo, usando conectores MPO-12, a fibra 1 do primeiro conector será conectada à posição da fibra 12 no segundo conector e a fibra 2 será conectada à posição da fibra 11 etc. Esta convenção é comumente usada na arquitetura 40/100 G.

      Type B Cable MPO polarity
    • Tipo C:

      Também chamado de método de par trançado ou “par invertido”. Como cada agrupamento de duas fibras é trançado, a fibra 1 será conectada ao local da fibra 2 no conector adjacente, e a fibra 2 será roteada para o local da fibra 1. A mesma comutação aplica-se a cada par discreto de fibras. Essa configuração é muito encontrada na arquitetura 1/10 G.

      Type C Cable MPO polarity

    Para saber mais sobre a polaridade MPO, assista ao nosso vídeo “Entendendo a polaridade do conector óptico MPO”:

    Clique no botão abaixo “Saiba mais” para ler a transcrição

    Tyler Vander Ploeg: Olá pessoal, meu nome é Tyler.

    Matt: Meu nome é Matt.

    Tyler Vander Ploeg: Trabalhamos na VIAVI Solutions e, neste episódio, vamos examinar mais detalhadamente alguns dos desafios de polaridade em conectores de fibras múltiplas. Matt fale um pouco sobre isso: ouvimos muito esse termo “polaridade”, mesmo em conectores de fibra única. Fale um pouco mais sobre o assunto.

    Matt: Sim, a polaridade é simplesmente garantir que o transmissor em uma extremidade do enlace esteja conectado ao receptor na outra extremidade do enlace e o transmissor na extremidade oposta esteja conectado ao receptor nessa extremidade. Se meu transmissor não estiver falando com aquele transmissor, então não há um enlace, certo? O enlace não está ativo. Ninguém está recebendo dados. Portanto, isso existe na conectividade duplex, e um LC duplex é geralmente usado para conectar um SFP a outro SFP, porque um deles está falando em uma direção e o outro na direção inversa. Isso pode ficar confuso. Certo? Muitas pessoas sabem por experiência própria que você pode ter essas duas linhas invertidas. E é relativamente fácil de consertar a situação. Pode ser problemático, mas você pode encontrar e reparar o problema.

    Matt: Com o MPO, as coisas ficam realmente complicadas, porque não tenho uma fibra neste conector e uma fibra no outro conector. Tenho 8, 12 ou 24 fibras travadas na posição em um conector e não posso mudar isso. Portanto, com o MPO, posso colocar tráfego diferente em cada par nessas 12 fibras. Esse MPO de 12 fibras pode ter 6 canais independentes. Ou um deles pode estar falando nessas quatro fibras e ouvindo nessas quatro fibras. Portanto, ele pode ser usado de várias formas diferentes, e manter o transmissor conectada ao receptor, o receptor conectado ao transmissor, transmitir em cada uma das fibras de transmissão conectadas aos receptores corretos do outro lado e vice-versa torna-se realmente complexo com o MPO.

    Tyler Vander Ploeg: Portanto, você não necessariamente tenta apenas garantir que a pessoa certa esteja falando e alinhada com um ouvinte geral. Você precisa do locutor certo e do ouvinte certo

    Matt: O ouvinte certo. E há muitos diferentes... Novamente, você pode ter muitos canais diferentes, um canal, você pode usar o MPO para... É bem complexo. Padronizamos isso há alguns anos, então você ouvirá sobre essas polaridades Tipo A, Tipo B e Tipo C. Portanto, o que é isso? É uma metodologia definida para montar o enlace. O conector MPO é ainda mais complexo, porque não é apenas onde estão todas as fibras, mas o MPO também tem uma guia que controla como as fibras são conectadas de um conector a outro.

    Matt: Então, se você precisa ter essa guia para cima nesse lado, a guia para baixo nesse conector lateral, o MPO fica assim, esse outro MPO entra com a guia para baixo, essa fibra conecta-se, a fibra que representa o dedo mínimo conecta-se à fibra do dedo indicador, certo? Se a guia para cima estiver conectada com outra guia para cima, a fibra do dedo mínimo fala com a outra fibra do dedo mínimo. Nenhuma delas está errada. Todas elas têm um projeto sólido em sua retaguarda para garantir que o enlace conecte a fibra correta nessa extremidade à fibra correta na extremidade oposta. Mas, se você embaralhar... Mas todos usam componentes diferentes. E se você embaralhar os componentes, vai embaralhar os sinais de saída em várias direções diferentes. Portanto, é bem fácil de errar. E você não consegue perceber.

    Matt: Assim, temos um LC duplex conversando com dois SFPs, você está conectado, está tentando conectá-los e não está funcionando. Você liga para o seu colega do outro lado, ele coloca um VFL em um dos seus lados de transmissão, você olha e diz: “Ah. Está saindo no meu lado... Estou com meus conectores invertidos”. Então você inverte seus LCs, conecta-os e repara o problema.

    Tyler Vander Ploeg: Fácil. Sim.

    Matt: Você não pode consertá-lo no MPO porque não pode mover as fibras. Você nem consegue entender o que está acontecendo, porque ilumina a luz no MPO deste lado e está saindo em todas as fibras deste lado.

    Matt:Portanto, não há... Você não pode apenas olhar e dizer: “Ah, você está na fibra número dois”. Não tem como descobrir. Portanto, os fornecedores por aí vendem sistemas que realmente são projetados para entrar e trabalhar corretamente já na primeira oportunidade. E assim continua, em uma construção inicial, quando você está montando as coisas, está usando as mesmas coisas do mesmo fornecedor, usando todos os part numbers corretos, e a outra parte é que você precisa fazer a montagem da forma correta. Você pode facilmente... Se encomendar incorretamente o que está comprando, infelizmente diz: “Ah, recebi um dos cabos errado e tudo está misturado”. Portanto, encomendar de forma errada pode afetar a montagem, mas, em geral, a montagem inicial ocorre bem.

    Matt: Agora, alguém vem ativar os serviços e adiciona patch cords. Ele está usando o patch cord correto para o sistema? Ou você tem... Você tinha um sistema antigo com MPOs que tinham troncos MPO

    Tyler Vander Ploeg: Um cenário de atualização

    Matt: E voltou aos LCs e agora você está dizendo: “Bem, vou ter fibras ópticas paralelas. Vou remover o módulo. Vou colocar em um painel. Tenho meus MPOs e vou conectar ao QSFP”, que é um sistema de montagem antigo. Não sei quando esse tronco foi montado ou esses troncos foram montados

    Tyler Vander Ploeg: Sim.

    Matt: ... há muitos anos. Agora, você está recebendo os patch cords corretos? Portanto, há muitas maneiras de aparecerem problemas.

    Tyler Vander Ploeg: Você apresentou algo realmente interessante. E este é um tipo de cenário em que vemos muito uso do MPO, foi um investimento feito há vários anos em uma arquitetura destinada a ter uma implementação fácil do tipo plug and play, e agora eles estão dizendo: “Ei, ainda posso usar essa arquitetura de fibras múltiplas, pois estou migrando, digamos, de 10 Gb à 40 GB”. Entretanto, o desafio agora é como você acabou de descrever. Ei, não sei que tipo de polaridade eu tenho.

    Matt: Falamos sobre pinos em outra série de vídeos, que serão importantes e novamente os conectores MPOs são muito complexos. Portanto, o ponto a lembrar é que você precisa testar. Certo? Se estiver montando um enlace MPO, você precisa verificar se esse enlace tem a polaridade correta. Está em 568. Quero dizer 568 desde os dias desse lado da conectividade duplex. Uma das coisas que você está verificando com esse teste é o comprimento perdido e a polaridade do enlace, se está roteando corretamente. Portanto, é preciso testar ao montar um enlace. Você deveria ser capaz de... O troubleshooting desses enlaces exige que você tenha uma ferramenta que possa identificar uma linha no MPO de outra linha de fibra no MPO.

    Matt: E dessa forma, há bem poucas ferramentas por aí que fazem isso. Você precisa de uma fonte de luz e de um medidor de potência que tenha portas MPO e podem determinar individualmente: estou enviando energia a você na linha dois, estou recebendo energia na linha quatro, ah, isso está errado. Ou ah!! Era o que esperava. É assim que isso é feito e montado. Você precisa de uma ferramenta de teste MPO projetada que possa verificar essa polaridade se quiser saber o que está acontecendo, porque realmente não pode fazer isso de forma visual. Não é possível fazer isso com um VFL, você está, digamos, no escuro.

    Tyler Vander Ploeg: Sim. Faz sentido. Obrigado novamente Matt. Até a próxima, meu nome é Tyler.

    Matt: E eu sou o Matt.

    Tyler Vander Ploeg: Você pode encontrar mais informações em viavisolutions.com/mpo. Obrigado por assistir ao nosso vídeo.

  • Alinhamento de MPO

    Uma conexão de fibra óptica ideal alinhará as fibras perfeitamente para que nenhuma energia óptica seja perdida. Infelizmente, as tolerâncias de fabricação inerentes aos dois tipos de conectores e às próprias fibras tornam essa condição de praticamente perfeita praticamente impossível.

    MPO unpinned and pinned connectors with adapter

    Conexões de fibra simplex prendem duas extremidades de fibras cilíndricas correspondentes dentro de uma luva bipartida de cerâmica, fazendo o alinhamento das fibras correspondentes bem diretamente. Os conectores MPO apresentam desafios combinados de alinhamento simultâneo de múltiplas fibras e canais abertos do adaptador que separam um conector do outro. As posições das múltiplas fibras contribuem com a adição das tolerâncias, porque a distância e o espaçamento entre cada fibra criam oportunidades para deslocamento lateral e outras condições de desalinhamento possíveis.

    Para obter o alinhamento ideal, os conectores de fibra MPO utilizam dois pinos de alinhamento de aço inoxidável em um conector e dois orifícios na mesma posição relativa, na peça correspondente. Elas também são chamadas de configurações “macho” e “fêmea”, embora a nomenclatura de “pinos” e “sem pinos’ seja usada comumente. Alguns fabricantes fornecem opções de conectores com pinos removíveis/substituíveis, embora a maioria dos conectores em qualquer estado não possa ser alterada em campo, ou seja, dois conectores do mesmo tipo não podem ser acoplados entre sistema.

    Equipamento de teste para MPO que pode aceitar conectores com pinos fixos ou sem pinos pode simplificar os problemas de alinhamento/configuração encontrados nos testes de MPOs. Durante o teste de verificação de referência, jumpers com pinos podem ser usados para concluir o circuito entre duas terminações de conector do cabo sem pinos.

    Para saber mais sobre o alinhamento de MPOs, assista ao nosso vídeo “Entendendo o alinhamento de MPOs”:

    Clique no botão abaixo “Saiba mais” para ler a transcrição

    Tyler Vander Ploeg: Alô pessoal. Meu nome é Tyler.

    Matt: E eu sou o Matt.

    Tyler Vander Ploeg: Trabalhamos na VIAVI Solutions e, neste episódio, vamos falar especificamente sobre os desafios no alinhamento de conectores MPO. Agora, com uma fibra simplex típica, a coisa é bem simples.

    Matt: Certo, esse cilindro é conectado ao outro cilindro do outro lado, em uma luva bipartida, certo? Então, essas duas peças ficam conectadas e alinhadas. No MPO, temos essa matriz de fibras e não temos uma luva bipartida. Não temos nada além de um canal aberto no adaptador. Então, como os MPOs fazem isso? Bem, um MPO precisa ter pinos e o outro MPO não deve ter pinos. Assim, os pinos guia em um MPO entram nos orifícios guia no outro MPO, e isso alinha as doze fibras.

    Matt: Assim, se você tiver um conector com pinos e está tentando conectá-lo a uma porta com pinos, isso não vai funcionar. Eles não se conectam. Se tiver um sem pinos e tentar conectá-lo a outro sem pinos, será possível conectar, entretanto, as perdas serão terríveis e você provavelmente danificará as fibras. Portanto, é melhor você ter pedido o componente correto ou não conseguirá conectar seu enlace. E eles não podem ser alterados em campo, certo? Você está limitado a isso. Se você pediu isso, é o que você terá.

    Tyler Vander Ploeg: Portanto, isso apresenta muitos desafios em relação aos testes.

    Matt: Sim, com certeza. Um deles é que meu testador de MPO precisa ser capaz de conectar-se a portas com pinos ou portas sem pinos e testar o que for preciso testar. O outro está na verificação de referência. Por isso, usamos LCs duplex ou SCs em um testador simplex ou duplex. Estou acostumado a verificar essa condição de referência, pegando minha fonte de luz com seus terminais e conectando-a ao meu medidor de energia com seus terminais, e verificando apenas isso.

    Tyler Vander Ploeg: Simples.

    Matt: Apenas a linha básica. Como está a minha a linha básica? Ok, estou bem. Com o MPO, se tiver dois MPOs sem pinos, não consigo verificar a referência. Então agora tenho que colocar um terceiro cabo no local, um cabo com pinos, e posso verificar a referência. Entretanto, é um pouco mais complexo e as pessoas não estão acostumadas a fazer isso, portanto tende a confundir uma pessoa que está acostumado a validar sua referência em um testador simplex.

    Tyler Vander Ploeg: Mas agora existem algumas soluções novas no mercado, certo?

    Matt: Sim, boas notícias. Disse que não era possível mudá-los em campo e você não pode fazer isso com esses componentes antigos. Nossos amigos da Panduit têm uma solução PanMPO na qual os pinos podem entrar e sair... Seus pinos podem entrar e sair, e podem mudar. Nossos amigos da US Conec têm uma solução na qual oferecem um novo conector em que você pode adicionar ou remover os pinos com segurança em campo. Assim, há boas notícias de que agora temos a capacidade para mudar a situação. Entretanto, você terá que prestar muita atenção. A mensagem aqui é prestar muita atenção e observar o que está tentando conectar um ao outro, pois isso pode danificar sua conectividade.

    Tyler Vander Ploeg: Perfeito. Ei, obrigado novamente, Matt. Agradeço a atenção. Para mais informações on-line, entre no site viavisolutions.com/MPO. Obrigado por assistir ao nosso vídeo.

  • Perda em conector MPO

    Embora o desalinhamento das fibras possa afetar significativamente a perda de inserção associada a adaptador para conector MPO, outros fatores, incluindo desencontros na geometria das fibras e a refletância de Fresnel induzida por frestas de ar ou contaminação, também podem contribuir para a perda geral de conectores MPOs.

    Como muitos dos fatores que contribuem para a perda óptica estão relacionados às limitações mecânicas ou tolerâncias dos conectores, conectores de alto desempenho devem ser considerados quando os valores calculados de perdas forem baixos e a densidade for alta. Um equipamento de teste projetado com a opção de executar testes de perda óptica em cabos com terminação MPO é altamente recomendado, pois isso reduz a complexidade envolvida no teste de MPOs com OLTS de um único canal.

    Para saber mais sobre perdas em conector MPO, assista ao nosso vídeo “Testes de MPOs”:

    Clique no botão abaixo “Saiba mais” para ler a transcrição

    Tyler Vander Ploeg: Olá pessoal. Meu nome é Tyler e trabalho na VIAVI Solutions. Neste episódio, estou conversando com Ed Gastle. Ele é gerente da nossa linha de produtos para muitos dos equipamentos de teste de fibra óptica. E também supervisiona vários instrumentos de teste de MPO. Assim, gostaria de conversar um pouco com ele sobre nossos diferentes portfólios, quais e quando os testes são usados. Ed, obrigado pela sua presença conosco.

    Ed Gastle: Obrigado, Tyler.

    Tyler Vander Ploeg: Fale um pouco sobre os testes de MPO. Sei que isso já existe há muito tempo, entretanto muitas pessoas envolvidas com eles estão se perguntando: ok, o que preciso ter? Que tipo de equipamento de teste preciso ter para MPOs?

    Ed Gastle: Os testes de MPO não são muito diferentes dos testes de fibras duplex regulares, no sentido de quais testes precisam ser realizados. Obviamente, os testadores são um pouco diferentes. Portanto, para os testes que devem ser executados, você tem uma inspeção direta do conector óptico e, claro, é tipicamente uma linha de 12 fibras que deve inspecionar. Você tem sua certificação de fibra de Tier 1 ou básica, que é a sua perda, comprimento e polaridade. Também tem um teste de Tier 2 ou seu teste aprimorado, que é executar testes OTDR para que você possa realmente ver cada evento individual nesse enlace de fibra. Então, na verdade, é exatamente o mesmo que veria nos testes duplex. As suas ferramentas têm que ser diferentes, porque você tem um conector de fibra diferente, o conector MPO.

    Tyler Vander Ploeg: Ótimo. Então, falamos muito, obviamente, sobre inspeção de fibra em outros episódios e eventos, mas quero perguntar um pouco mais sobre... você falou sobre comprimento, perda e polaridade, diferenciando quando usar um teste típico de MPO para MPO versus, talvez, aplicações em que o MPO é um subconjunto de um enlace maior. Você pode falar um pouco mais sobre quando é necessário usar o teste MPO direto em comparação com outros tipos de teste?

    Ed Gastle: Sim. O MPO já está realmente nas redes há algum tempo e tem sido usado como um backbone ou um tronco. Quando você tem esse backbone ou um tronco, tipicamente tem algo como um cassete para dividir em LCs individuais. E aqueles ainda existem, no mundo atual com multimodo, podem chegar a 10 GB. Se começar a ir além de 10 GB, precisará ter diferentes tipos de conectores na extremidade. Então esse é o seu cassete. Você tem 24 fibras entrando na parte traseira através do MPO e elas precisam ser inspecionadas. Entretanto, seu teste é feito com um LTS clássico, testando cada uma das derivações LC individuais. Portanto, nesse caso, você realmente não precisa testar o conjunto do tronco. Para o troubleshooting, é aí que um OTDR entrará em ação e, então, você poderá observar para descobrir a localização de uma falha específica. Entretanto, tipicamente com esses conjuntos de troncos, seu problema é com as conexões que você tem, as conexões MPO.

    Ed Gastle: Assim, quando as coisas começam a ficar diferentes, é quando você precisa agir, especialmente em multimodo, com 40 e 100 GB, e há sistemas como PSM4 para monomodo que também operam o que chamaria de MPO nativo diretamente no equipamento, quer seja um switch, um roteador ou um servidor... esse tipo de coisa. E, para isso, você precisa começar a ter interfaces MPO nativas em seu equipamento de teste, que permite testar esses enlaces e canais. É isso que, nesse caso, o MPO LX faz, é a sua certificação básica ou Tier 1, a sua perda, comprimento e polaridade. E é feito da mesma forma que você faria com um OLTS em enlaces LC. Assim como você define referências. Você define um limite e depois se conecta ao seu sistema que está testando. Você faz o teste. O resultado é passa/falha. Exceto que, agora você está fazendo um teste passa/falha em 12 fibras, em vez de duas.

    Tyler Vander Ploeg: Entendi. OK. É um comportamento bem semelhante. Ainda é um conjunto de teste de perda óptica.

    Ed Gastle: Exatamente.

    Tyler Vander Ploeg: Você disse que isso é mais predominante quando entra na faixa de 40 GB, 100 GB com QSFPs etc.

    Ed Gastle: Com os QSFPs, você tem essa conexão direta QSFP ou MPO em seu switch e servidores. É aí que você precisa estar, no seu próprio enlace, em vez de ser um LC duplex, o seu enlace é um MPO. Tipicamente, um MPO de 12 fibras. E é por isso que é preciso testar esse comprimento com teste MPO original. Ou você pode testar o canal, também. Desconecte do QSFP conectado ao switch, servidor, roteador, o que quer que seja e, em seguida, teste o canal.

    Tyler Vander Ploeg: Ok. Você mencionou brevemente o Tier 2 ou teste avançado. Descobrindo mais informações. Fale um pouco mais sobre algumas das novas tecnologias que são capazes de testar as faixas individuais do MPO com um OTDR.

    Ed Gastle: Bem, em nossa plataforma 4000 temos um módulo de comutação para isso. Portanto, seu OTDR ainda é uma conexão simplex, entretanto a conexão simplex vai para o switch e o switch fornece o MPO de 12 fibras e, devido ao módulo de chave óptica MPO e o módulo OTDR estarem no mesmo dispositivo, isso é automatizado realmente. Digamos então que você deseja testar. Quero testar todas as 12 fibras. Você pressiona o botão iniciar e o OTDR testa a fibra número um. O switch muda para a fibra número dois. Testa a fibra número dois e assim por diante.

    Ed Gastle: Assim, basta iniciar o teste, aguardar e deixar o instrumento passar pelas 12 fibras, fazendo os passos do switch.

    Tyler Vander Ploeg: E, novamente, como qualquer OTDR, isso oferece o benefício de ver cada evento individual em todo esse processo

    Ed Gastle: Correto! E com OTDRs modernos, certamente da série 4000, você vê então uma vista esquemática para saber quais são os eventos e quais eventos têm problemas, em vez de ter que ler uma linha rabiscada em uma tela.

    Tyler Vander Ploeg: Perfeito. Obrigado novamente Ed, por estar conosco. Você recentemente escreveu um artigo técnico.

    Ed Gastle: Sim, escrevi.

    Tyler Vander Ploeg: Que dá muitos detalhes sobre esse assunto.

    Ed Gastle: Sim.

    Tyler Vander Ploeg: Para obter mais informações e baixar o artigo técnico que o Ed escreveu, visite-nos on-line em viavisolutions.com/mpo. Obrigado por assistir ao nosso vídeo.


 

Desafios de teste de MPO

Fazer inspeção de MPO e testes corporativos com ferramentas projetadas para aplicações em fibra única pode ser complexo e demorado. Com MPO nativo agora operando diretamente em switches, roteadores e servidores em aplicações de 40/100 GB, os testes avançados tornam-se mais essenciais, necessitando assim de equipamentos de teste com portas MPO nativas para testar com esses enlaces e canais com eficiência.

A inspeção de conectores MPO com ferramentas de inspeção de fibra única pode ser difícil, uma vez que a interface MPO apresenta desafios exclusivos de acesso e geometria. Dicas de inspeção MPO dedicada podem ser adicionadas a microscópios projetados para conexões de fibra única, entretanto esse processo de adaptação pode demorar bastante. Uma solução autônoma de inspeção de fibras ópticas múltiplas pode tratar adequadamente a importância da inspeção na face final da fibra em aplicações MPO, automatizando ainda a prática da inspeção.

Os testes da Tier 1, comprimento, perda e polaridade podem ser executados com um OLTS tradicional e cabos interrompidos de portas de entrada LC ou SC, entretanto esse processo é aprimorado significativamente, simplesmente por meio da introdução de equipamentos MPO OLTS dedicados. Da mesma forma, equipamentos de teste OTDR com portas de chave óptica MPO dedicadas podem alternar de forma conveniente entre fibras múltiplas por meio de processos de teste avançados

OTDR testing equipment

Para saber mais sobre os desafios de teste de conectores MPO, assista ao nosso vídeo “Teste de MPOs” exibido na seção acima.

Clique no botão abaixo “Saiba mais” para ler a transcrição

Tyler Vander Ploeg: Olá pessoal. Meu nome é Tyler e trabalho na VIAVI Solutions. Neste episódio, estou conversando com Ed Gastle. Ele é gerente da nossa linha de produtos para muitos dos equipamentos de teste de fibra óptica. E também supervisiona vários instrumentos de teste de MPO. Assim, gostaria de conversar um pouco com ele sobre nossos diferentes portfólios, quais e quando os testes são usados. Ed, obrigado pela sua presença conosco.

Ed Gastle: Obrigado, Tyler.

Tyler Vander Ploeg: Fale um pouco sobre os testes de MPO. Sei que isso já existe há muito tempo, entretanto muitas pessoas envolvidas com eles estão se perguntando: ok, o que preciso ter? Que tipo de equipamento de teste preciso ter para MPOs?

Ed Gastle: Os testes de MPO não são muito diferentes dos testes de fibras duplex regulares, no sentido de quais testes precisam ser realizados. Obviamente, os testadores são um pouco diferentes. Portanto, para os testes que devem ser executados, você tem uma inspeção direta do conector óptico e, claro, é tipicamente uma linha de 12 fibras que deve inspecionar. Você tem sua certificação de fibra de Tier 1 ou básica, que é a sua perda, comprimento e polaridade. Também tem um teste de Tier 2 ou seu teste aprimorado, que é executar testes OTDR para que você possa realmente ver cada evento individual nesse enlace de fibra. Então, na verdade, é exatamente o mesmo que veria nos testes duplex. As suas ferramentas têm que ser diferentes, porque você tem um conector de fibra diferente, o conector MPO.

Tyler Vander Ploeg: Ótimo. Então, falamos muito, obviamente, sobre inspeção de fibra em outros episódios e eventos, mas quero perguntar um pouco mais sobre... você falou sobre comprimento, perda e polaridade, diferenciando quando usar um teste típico de MPO para MPO versus, talvez, aplicações em que o MPO é um subconjunto de um enlace maior. Você pode falar um pouco mais sobre quando é necessário usar o teste MPO direto em comparação com outros tipos de teste?

Ed Gastle: Sim. O MPO já está realmente nas redes há algum tempo e tem sido usado como um backbone ou um tronco. Quando você tem esse backbone ou um tronco, tipicamente tem algo como um cassete para dividir em LCs individuais. E aqueles ainda existem, no mundo atual com multimodo, podem chegar a 10 GB. Se começar a ir além de 10 GB, precisará ter diferentes tipos de conectores na extremidade. Então esse é o seu cassete. Você tem 24 fibras entrando na parte traseira através do MPO e elas precisam ser inspecionadas. Entretanto, seu teste é feito com um LTS clássico, testando cada uma das derivações LC individuais. Portanto, nesse caso, você realmente não precisa testar o conjunto do tronco. Para o troubleshooting, é aí que um OTDR entrará em ação e, então, você poderá observar para descobrir a localização de uma falha específica. Entretanto, tipicamente com esses conjuntos de troncos, seu problema é com as conexões que você tem, as conexões MPO.

Ed Gastle: Assim, quando as coisas começam a ficar diferentes, é quando você precisa agir, especialmente em multimodo, com 40 e 100 GB, e há sistemas como PSM4 para monomodo que também operam o que chamaria de MPO nativo diretamente no equipamento, quer seja um switch, um roteador ou um servidor... esse tipo de coisa. E, para isso, você precisa começar a ter interfaces MPO nativas em seu equipamento de teste, que permite testar esses enlaces e canais. É isso que, nesse caso, o MPO LX faz, é a sua certificação básica ou Tier 1, a sua perda, comprimento e polaridade. E é feito da mesma forma que você faria com um OLTS em enlaces LC. Assim como você define referências. Você define um limite e depois se conecta ao seu sistema que está testando. Você faz o teste. O resultado é passa/falha. Exceto que, agora você está fazendo um teste passa/falha em 12 fibras, em vez de duas.

Tyler Vander Ploeg: Entendi. OK. É um comportamento bem semelhante. Ainda é um conjunto de teste de perda óptica.

Ed Gastle: Exatamente.

Tyler Vander Ploeg: Você disse que isso é mais predominante quando entra na faixa de 40 GB, 100 GB com QSFPs etc.

Ed Gastle: Com os QSFPs, você tem essa conexão direta QSFP ou MPO em seu switch e servidores. É aí que você precisa estar, no seu próprio enlace, em vez de ser um LC duplex, o seu enlace é um MPO. Tipicamente, um MPO de 12 fibras. E é por isso que é preciso testar esse comprimento com teste MPO original. Ou você pode testar o canal, também. Desconecte do QSFP conectado ao switch, servidor, roteador, o que quer que seja e, em seguida, teste o canal.

Tyler Vander Ploeg: OK. Você mencionou brevemente o Tier 2 ou teste avançado. Descobrindo mais informações. Fale um pouco mais sobre algumas das novas tecnologias que são capazes de testar as faixas individuais do MPO com um OTDR.

Ed Gastle: Bem, em nossa plataforma 4000 temos um módulo de comutação para isso. Portanto, seu OTDR ainda é uma conexão simplex, entretanto a conexão simplex vai para o switch e o switch fornece o MPO de 12 fibras e, devido ao módulo de chave óptica MPO e o módulo OTDR estarem no mesmo dispositivo, isso é automatizado realmente. Digamos então que você deseja testar. Quero testar todas as 12 fibras. Você pressiona o botão iniciar e o OTDR testa a fibra número um. O switch muda para a fibra número dois. Testa a fibra número dois e assim por diante.

Ed Gastle: Assim, basta iniciar o teste, aguardar e deixar o instrumento passar pelas 12 fibras, fazendo os passos do switch.

Tyler Vander Ploeg: E, novamente, como qualquer OTDR, isso oferece o benefício de ver cada evento individual em todo esse processo

Ed Gastle: Correto! E com OTDRs modernos, certamente da série 4000, você vê então uma vista esquemática para saber quais são os eventos e quais eventos têm problemas, em vez de ter que ler uma linha rabiscada em uma tela.

Tyler Vander Ploeg: Perfeito. Obrigado novamente Ed, por estar conosco. Você recentemente escreveu um artigo técnico.

Ed Gastle: Sim, escrevi.

Tyler Vander Ploeg: Que dá muitos detalhes sobre esse assunto.

Ed Gastle: Sim.

Tyler Vander Ploeg: Para obter mais informações e baixar o artigo técnico que o Ed escreveu, visite-nos on-line em viavisolutions.com/mpo. Obrigado por assistir ao nosso vídeo.


Recursos de teste de conector MPO:

Testing MPO Connectors

Testing MPO Connectors

Learn how network owners are migrating the physical connectivity in their enterprise and data center environments toward architectures that utilize parallel optics.

MPO Industry Survey

MPO Industry Survey

Designers, installers, and operators of fiber networks with MPO connectivity highlight trends and challenges.

MPO Webinar

MPO Webinar

MPO Challenges Dealing with Multi-fiber Connectors and Cables

MPO Test White Paper

MPO Test White Paper

Winning with MPO Testing

MPO App Note

MPO App Note

Use Case: Testing MPO Networks

MPO Test Blog

MPO Test Blog

5 Things to Know Before Working with Multi-Fiber MPO Connectors

MPO Test Blog

MPO Test Blog

Por que as ferramentas de teste de fibra estão ajudando as contratadas a ganhar mais negócios MPO

Viver dentro do seu orçamento – a edição de teste multifibra

Viver dentro do seu orçamento – a edição de teste multifibra

Living Within Your Budget—The Multi-Fiber Testing Edition

Artigo

Artigo

Não deixe que uma partícula de poeira derrube sua rede de fibra.

Comece a testar conectores MPO com a ajuda da VIAVI ainda hoje!

Você está pronto para dar o próximo passo com um de nossos produtos ou soluções de teste para MPO?
Preencha um dos formulários a seguir para começar: